DRAFT5

G2000: latto - Revelação meteórica

O prodígio da RED Canids é o analisado no artigo desta semana

G2000: latto - Revelação meteóricaFoto por: DRAFT5
Num dia fã, no outro companheiro de equipe. Um garoto que em menos de um ano passou de jogador amador para parceiro de um bicampeão de Major. Assim o jovem Bruno "latto" Rebelatto saiu do anonimato e se tornou o principal fragger de seu time, alcançando o reconhecimento nacional por uma segunda metade de 2019 absurda.

Crescido em Santa Rosa, Rio Grande do Sul, Bruno cresceu em uma família tranquila junto de seus dois irmãos. Descrito como um menino tranquilo, e o filho que deu menos trabalho entre os irmãos, latto tem os objetivos e sonhos de qualquer garoto que ingressa no CS:GO. O jogador contou, em meio a risos e brincadeiras de companheiros da RED Canids, um pouco da sua história para este artigo.

Confira outros episódios de nossa série:

INÍCIO COMUM

Embora lembre-se desde muito cedo a presença de um computador em sua vida, latto pouco jogou antes dos 10 anos. Trajetória comum à maioria dos jovens talentos, o jogador passava horas assistindo ao irmão jogar CS 1.6, mas raramente tinha oportunidades. "Ele não deixava mexer nunca, então nunca tive muito acesso. As poucas vezes que eu jogava era contra bots, porque eu era muito ruim e ele não me deixava jogar online", lembrou.

Com um irmão que comandava os horários em que poderia encostar no computador, latto só viu a situação mudar à partir dos 12 anos, quando seu pai presenteou o irmão mais velho com uma máquina mais nova. Só que a história não lhe direcionou diretamente para o CS. "Fiquei com o pc dele, mas na época o CS:GO tinha acabado de ser lançado. O problema é que não rodava o jogo, então eu comecei a me dedicar ao Combat Arms", pontuou.

alt Combat Arms era o passatempo de latto | Foto: Divulgação / LevelUp!


A dedicação ao jogo era a de um casual se divertindo com os amigos. Foram três anos brincando no jogo da LevelUP!, que parecem ter preparado o jogador para o futuro que o esperava como profissional. Nessa mesma época o jogador passou a assistir o cenário competitivo e se interessar. "Eu lembro de assistir quando os brasileiros começaram a ir lá pra fora. Acompanhei a Luminosity, depois a SK, e a minha vontade jogar só aumentava, mas não tinha como porque o pc não rodava o CS", e adicionou rindo que "implorava para o pai me dar um computador novo, que eu precisava muito", comentou.

INÍCIO NO CS:GO

A recompensa do pai demorou, mas em outubro de 2017, latto recebeu seu novo computador. A vontade era apenas uma, e o jovem começou a jogar CS:GO com seus primos em servidores da oficiais da Valve. Crescendo rapidamente de nível, o jogador, que já conhecia a Gamers Club, decidiu migrar para os servidores de ranqueadas, alcançando o nível 18 já em suas primeiras partidas.

O jogador sabia que o jogo era sua grande paixão, e isso começou a dominar a maior parte de seu tempo. "O CS influenciou um pouco no meu desempenho na escola. Lembro que no fundamental eu só passava com notas altas, e depois elas deram uma caída por conta do tempo que eu passava no pc. Mesmo assim meus pais nunca me proibiram, apenas me fizeram perceber que era importante dosar os dois, e estudar antes de jogar", recordou.

A dedicação ao jogo começou a aumentar, e depois de passar 2018 brincando nos matchmakings, latto decidiu seguir um objetivo que tinha colocado na cabeça, ser profissional. "Eu sabia que era isso que eu queria fazer(ser profissional), e que se me esforçasse chegaria lá. Comecei a jogar onde estavam os melhores jogadores, e acabei criando um pouco de nome para mim", afirmou.

Em 2019 latto passou a jogar a LSL Diamond, liga de acesso para a divisão de profissionais do Brasil. O jovem foi o campeão do mês de abril, e então começaram a chegar os convites para jogar em times.



ENTRADA NO PROFISSIONAL

A vitória na FACEIT começou a abrir caminho para latto entre os times profissionais. Com a primeira renda obtida pelo CS, o jovem conseguiu também maior respaldo em casa. Mesmo com pouco tempo de jogo entre os melhores, latto foi convidado a se juntar ao time da segura o boné, equipe que convivia entre subidas da Liga Principal para a Profissional. "Na época lembro que joguei uma Liga Principal com eles, e perdemos para a Redemption na final", pontuou.

O jogador ficaria pouco com os companheiros de segura o boné, e em menos de um mês aceitaria uma proposta para jogar na Falkol E-Sports. A equipe contava com experientes jogadores como Gustavo "GUTO22" Arnoldi e Felipe "delboNi" Delboni, e latto se surpreendeu com o convite. Gigante do cenário de esports, a Falkol seria a grande chance de dar o próximo passo na carreira.

Durante os dois meses em que esteve com o time, a Falkol negociava sua ida para São Paulo e este acabou sendo um problema com seus pais. "Meu pai conversou com o Guto, mas na hora H acabou mudando de ideia e não deixando eu ir. O grande problema é que a Falkol nunca me pagou salários, e isso fez com que ele ficasse com medo de me deixar ir", revelou. O jogador fez uma ótima classificatória para o Starladder Minor, marcando 1.23 na ocasião.

A Falkol venceria ainda a Liga Amadora da Gamers Club por duas vezes, já que na mudança de formato não puderam passar da principal para a desafiante. As boas partidas jogadas e resultados conquistados com o time não foram suficiente para manter a equipe unida. Victor "bld" Rocha e delboNi partiram para a Imperial e-sports, e latto decidiu deixar a equipe para procurar novos caminhos.

FREE AGENT E INCERTEZAS

Com a decisão de deixar a equipe, latto ainda foi cogitado como jogador da Imperial, mas a incerteza sobre a permissão de seu pai acabou sendo fator determinante para que o time não optasse por ele: "Eles chegaram a dizer que pensaram no meu nome, mas que não dava para arriscar começar a jogar comigo e de repente eu não poder ir para São Paulo", recordou. Do ex-companheiro delboni veio a ideia de fazer um post anunciando que latto estava sem time, e isso foi o suficiente para render olhares de muitas equipes.

 



O jovem logo arranjaria testes e mais equipes para poder representar. Jogando cada vez mais com o amigo Gabriel "nython" Lino, veio o primeiro convite para completar para a RED Canids, que na época ainda era a base que viraria a Team RUFUS, hoje Bravos. "Eu completei uma BGC para eles, e foi bem legal de jogar junto", relembrou.

Em seguida, um teste que mexeu com latto. "Fiz um teste com o pessoal da DETONA. Quando eu recebi o convite, fiquei muito feliz, porque acho os caras muito daora e curtia muito o time deles", revelou. O teste correu bem, e a estreia de latto seria em uma BGC contra a W7M. "Fui jogar bomb A da Mirage e, pra começar, eu não jogo esse bomb. Acabei jogando muito mal, e acho que isso fez eu ser recusado no teste com eles", lembrou.

O mês de julho foi decisivo para latto, pois as propostas continuavam chegando e o jogador precisaria logo tomar uma decisão. "Quando eu estava quase fechando com a RED Canids, a Team One entrou em contato comigo e fez uma oferta. As duas orgs tentaram fechar comigo ao mesmo tempo, e eu fiquei sem saber o que fazer, sou muito novo ainda para decidir o que é melhor assim(rs)", contou.

"Nesse momento meu pai foi decisivo na escolha. Ele sentou comigo e disse que talvez seria melhor pegar experiência no Brasil, e que ir para fora seria um passo muito grande e poderia dar errado", afirmou. Logo que soube que a RED iria jogar o circuito CLUTCH, latto ficou preocupado. "Eu falei "ferrô", meu pai vai dar problema de novo... mas ele estava muito mais aberto para a ideia, e a conversa com o Renato "nak" Nakano tranquilizou ele para que eu pudesse seguir meu sonho", lembrou.

RED CANIDS E SUCESSO

Foto: Rafael Veiga/DRAFT5 Foto: Rafael Veiga/DRAFT5


A chegada ao time de um de seus maiores ídolos seria o auge da, até então, curta carreira da latto. O jogador entrou no time em que Lincoln "fnx" Lau iria jogar, e essa oportunidade foi muito bem aproveitada pelo garoto. A estreia no CLUTCH Brasileirão Season 1 não foi das melhores, com a equipe terminando em último no primeiro split, mas a recuperação veio, e que recuperação. O time de latto cresceu na segunda metade do torneio e finalizou o campeonato em primeiro lugar em pontuação, perdendo a grande final para paiN Gaming.

Eleito um dos melhores jogadores na ocasião, latto acumulou um rating de 1.15, adr de 79, KAST de 74.3%. O jogador também foi essencial nos clutches para sua equipe, fazendo 10 durante o torneio, apenas atrás de seu companheiro fnx.


Seu time acabou sendo eliminado da Gamers Club Masters IV sem vencer nenhuma partida, e latto, ainda sim, marcou 1.09 de rating. "Quando fomos para a GC Masters a gente não estava muito feliz para jogar. Havia um problema interno que acabou atrapalhando o clima e fazendo a gente jogar mal", revelou. A equipe decidiu pela saída de Matheus "pesadelo" Panisset da equipe e acabaram perdendo a final do Brasileirão com Rodrigo "RCF" Caponero.

Para a temporada de 2020 a RED Canids optou por repatriar Lucas "destinyy" Bullo, e o que rapidamente rendeu frutos com a vitória na classificatória da WESG. "Nós estamos com o destinyy agora que é um jogador muito bom, com experiência internacional, e como vocês sabem foi o melhor jogador de 2018 no Brasil(rs)", e continuou: "Acho que temos boas chances de vencer tudo em 2020 e nos tornarmos o melhor time do Brasil", afirmou.

ESTILO DE JOGO E FUTURO

Na RED Canids, latto joga como solo bomb em praticamente todos os mapas, além de atuar como trader jogando como terrorista. Mesmo com a dificuldade em jogar solo nos bombs, o jogador acredita que consegue se virar bem. "Eu jogo b solo na Mirage, rampa na Nuke, b solo na dust2 e train. Acho que consigo jogar bem na B da Mirage, acho que faço bem a posição... acho que eu jogo melhor de CT em todos os mapas, menos na train, porque não curto tanto", apontou.

O jovem também falou de sua versatilidade, já que é constantemente alterna entre rifle e awp. "Eu sou praticamente o segundo awper. Quando eu me sinto confiante e quero puxar eu puxo, na dust2, por exemplo, é muito comum de eu fazer", revelou.


Com uma temporada de estreia de alto nível, latto acredita que 2020 pode ser ainda melhor do que 2019. "Acho que foi um ano ótimo para mim, mas ano que vem eu quero a RED Canids ganhando tudo. Também tenho o sonho de um dia jogar la fora e disputar um Major", finalizou.

Sendo uma das maiores revelações do ano, o jovem latto será um jogador para ser observado durante 2020. Sua inexperiência já foi colocada à prova em inúmeras ocasiões com torneios em lan, mostrando que ele está pronto para competições de alto nível, e até torneios internacionais. Resta saber o jogador será capaz de manter o nível individual que mostrou em 2019, para, quem sabe, estar entre os campeões de 2020.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Saiba Mais Sobre

Notícias Relacionadas