DRAFT5

Para saffee, a sensação de se classificar para o Major "não foi tanto de dever cumprido, mas sim de sonho realizado"

AWPer e biguzera falaram sobre expectativas para o Major e evolução do time na América do Norte

por Gabriel Melo / 19 de Out de 2021 - 20:30 / Capa: Divulgação/paiN Gaming

paiN Gaming é uma das equipes brasileiras que vão estrear em Majors no PGL Major Stockholme 2021. O percurso do time até a classificação foi recheada de emoções e Rafael "saffee" Costa, ao olhar por tudo o que passou junto aos companheiros, em entrevista a DRAFT5, afirmou que a sensação de saber que jogará um torneio apoiado pela Valve "não foi tanto de dever cumprido, mas sim de sonho realizado".

saffee continuou, falando que a ficha ainda não caiu, "mas ter o seu nome imortalizado dentro do jogo é algo surreal, que todos os jogadores sonham" Ainda segundo o jogador, quando a paiN deixou o Brasil para competir na América do Norte "ninguém realmente esperava que iríamos classificar para o primeiro Major que disputássemos, mas quando o tempo foi passando e vimos nosso time evoluindo, estava bem claro onde queríamos chegar e lutamos por isso".

Na opinião do AWPer, "o formato do RMR favoreceu equipes como a gente e a GODSENT porque, pelo formato, todos tinham chances de classificar mesmo não pontuando no RMR anterior (a gente tinha uma pontuação baixa e a GODSENT, nenhum ponto). Mas estar no Major, disputando o maior campeonato de CS com as melhores equipes do mundo é algo surreal que vou tentar aproveitar ao máximo esse momento e tudo que envolve ele".

Quanto as expectativas do time para o campeonato, saffee opinou dizendo que "tudo depende de nós. Se no dedicarmos de forma correta, todos terem o mesmo foco no que realmente importa é manter a calma na hora dos jogos, as coisas podem fluir de uma maneira muito boa e quem sabe jogar no big stage. Estando lá, acho que tudo pode acontecer".

Como pontuado por saffee, a paiN já completou um ano competindo na América do Norte. A mudança de região, oficialmente, ocorreu em setembro do ano passado, após espera de quase oito meses devido à pandemia do novo coronavírus, que fez, na época, o treinador Bruno Ono afirmar que existia a possibilidade do time permanecer no Brasil.

Sobre a evolução pela qual a equipe passo nesse período, Rodrigo "biguzera" Bittencourt, em entrevista a DRAFT5, disse que "o ponto que o time mais evoluiu, com certeza, foi entrosamento, porque, quando viemos, não tínhamos tanto tempo junto. Então, foi um tempo bom para a gente". Quanto as dificuldades, o jogador apontou que "sempre são as pessoais, de jogar fora do país e toda a sua vida fora do profissional ser no Brasil".

A caminhada da paiN no cenário norte-americano foi gradativa, com a equipe iniciando pelos torneios de menor expressão da região, ganhando alguns deles, até figurar na lista de participantes dos maiores e chegar na final destes, como no título do Fragdelphia Invitational Fall 2021 e no vice da DreamHack Open March 2021.

Para biguzera, um acontecimento que mostrou a ele e aos companheiros que a paiN estava subindo de patamar foi a vitória sobre Team Liquid na semifinal da DreamHack Open disputada em março: Depois disso, daí eu senti que estávamos no caminho certo".

Apesar do bom retrospecto, a paiN não se tornou uma equipe midiática e, em até certo ponto, não era colocada pela comunidade como uma das favoritas a ficar com vaga no Major. biguzera, contudo, fala que tal "esquecimento" não serviu de gás, mas que com os resultados obtidos "provamos que a mídia não interfere no jogo. Estávamos tranquilos quanto a isso".

Continua depois do anúncio

Antes da comemoração, a paiN passou por momento apreensivo na IEM Fall North America 2021 porque precisou torcer para a derrota Extra Salt para a Liquid na última rodada da fase de grupos. Por conta disso, biguzera admitiu que, em "vários momentos, tivemos a dúvida se, realmente, iríamos passar (para o Major). Eu, por exemplo, só vou acreditar quando jogar o primeiro jogo lá em Estocolmo".

Falando em Extra Salt, a equipe liderada por Johnny "JT" Theodosiou se mostrou, também no RMR, uma pedra no sapato da paiN ao vencer os brasileiros. Tal time, inclusive, foi o algoz de biguzera e dos companheiros em diversos torneios na América do Norte.

Foto: Divulgação/paiN GamingFoto: Divulgação/paiN Gaming

Na visão de biguzera, a Extra Salt se tornou um adversário formidável para a paiN por possuir um "map pool bem parecido com o nosso e é um time que joga com bastante confiança contra nós pelo fato de ter ganho muito da gente no início. Então, qualquer mapa contra eles é bem pegado".

Na IEM Fall a paiN não pôde contar com a presença do treinador nas partidas por conta da punição sofrida por ellllll por conta do "bug do coach". Fato este que se repetirá no Major. biguzera afirmou que o time está vendo "as possíveis soluções para o Major, mas ainda nada certo. A perda dele é muito ruim pra gente porque é importante a presença do coach nesses campeonatos importantes".

A reta final de preparação da paiN para o Major será feita na Europa, região na qual disputaram recentemente a BLAST Premier Fall Showdown 2021. O time acabou caindo na estreia para OG após derrota por 2 a 0. Segundo biguzera, o time está na Sérvia desde o último dia 12: "Vamos fazer um bootcamp até o dia 22 e disputar alguns campeonatos nesse tempo".

biguzera finalizou a entrevista falando sobre o fato do Major de Estocolmo ser o primeiro presencial dele e do restante da equipe após quase dois anos da "Era online". O jogador disse que, "particularmente, amo o clima de LAN e gosto muito de jogar presencialmente. Estava com saudade".