DRAFT5

Os melhores no Brasil em 2020: (20) – zevy

AWPer da DETONA abre a listagem dos melhores no Brasil no pandêmico ano de 2020

por Lucas Benvegnú / 08 de jan de 2021 - 15:02 / Capa: Arte/DRAFT5
2020 certamente ficará marcado na história de toda a humanidade. Pode-se dizer que Romeu "zevy" Rocco é exceção ou até mesmo privilegiado, visto que se lembrará com carinho de um ano pandêmico que açoitou a maior parte da população mundial.

Foi seu ano de ascensão. De provação. Um ano que, muito além de lhe colocar no radar dos fãs do Counter-Strike nacional, foi capaz de lhe postar entre a seleta lista de melhores do Brasil.

PEQUENO GRANDE PROBLEMA


Nascido e criado em São Miguel Paulista, na Zona Leste de São Paulo, zevy foi introduzido cedo aos videogames: "Meu primeiro contato com os jogos foi por intermédio do meu tio", relembra. "Eu via ele jogando Tibia e Combat Arms. Tinha uns 8 anos na época", explica.

No entanto, o jovem prodígio só conheceria o Counter-Strike cerca de sete anos depois: "Conheci o CS:GO em 2016 vendo vídeo no YouTube", afirma. Só havia um pequeno grande problema: "Na época, eu não tinha um PC para jogar. Só consegui um em 2017".

Pouco tempo depois, junto de alguns amigos de fé, zevy começaria a competir. "Meu primeiro time foi com uns amigos que eu conheci no jogo, a gente jogava na Gamers Club juntos o dia todo e resolvemos montar um time pra ver no que dava e acabamos chegando perto de subir pra Liga Pro em 2019", conta. "Meus primeiros campeonatos, creio que, como todo mundo, foram nas Ligas da Gamers Club", ressalta.

LEVANDO A BRINCADEIRA A SÉRIO


E foi com seu time de amigos que zevy quase alcançou a Liga Dell da Gamers Club ainda em 2019. Em uma equipe um pouco mais calejada, a Lowkey de Rosario "SpyDaemoN" Polo e companhia, zevy não bateria na trave, alcançando o segundo escalão do Counter-Strike nacional junto da organização estrangeira.

Foram apenas duas edições da Liga disputadas sob o banner estadunidense. Sem a continuidade do projeto da Lowkey em solo brasileiro, zevy e seus companheiros ficaram livres no mercado. Àquela altura, o jovem paulistano já atraía olhares de uma das mais prestigiadas equipes do cenário: a W7M, que almejava contar com o prodígio para a largada da temporada de 2020 após a saída de Leon "ryotzz" Felipe.

zevy era forte candidato a ocupar a lacuna deixada pela saída de ryotzz na W7M | Foto: Rafael Veiga/DRAFT5


Como já é de conhecimento geral, as negociações não evoluíram e os bulls preferiram apostar na experiência do ex-FURIA Rinaldo "ableJ" Moda para a segunda temporada do CLUTCH. "Na época, a W7M apenas conversou comigo, não foi nada além disso", assegura.

Sem passar da fase de diálogo com os bulls, zevy seguiu mostrando potencial na Liga Dell junto de equipes como a fakeDOSPRO e a Fearow. Seu trabalho, por sinal, acabaria sendo reconhecido novamente por uma das grandes forças do cenário. Expandindo seu quadro, a DETONA apostou em zevy para compor sua formação de base, anunciada ao final do mês de março.

Foram necessários alguns poucos campeonatos para zevy se destacar pela DETONA Pound. Em dois deles, por sinal, o atleta conquistou a honraria de EVP: no primeiro, a Brasil Premier League S12, a escalação de base dos pitbulls ficou com o vice após derrota perante a forte e experiente 9z na decisão, enquanto no segundo, a La Liga Pro Sur - Apertura, zevy possivelmente só não ficou com o prêmio de melhor jogador devido ao chamado para representar a equipe principal.

O CHAMADO DO DEVER


Sem conseguir impressionar na metade inicial do pandêmico ano, a DETONA viu seu elenco campeão se desmanchando pouco a pouco. Uma modesta quinta posição no CLUTCH S2 seria o início do fim de sua antiga line-up. Sobravam problemas, faltavam soluções. A fórmula encontrada para a remontada dos pitbulls foi um tanto quanto caseira.

O experiente Renato "nak" Nakano, com passagens por mibr, Complexity, Luminosity, Red Reserve, Sharks e RED Canids, foi a aposta para liderar o novo quinteto. Vindo da rival Vivo Keyd, Guilherme "piria" Barbosa trouxe uma certa juventude à equipe. zevy, sem grande experiência em alto nível, foi a grande aposta dos pitbulls.

Foto: Lucas Spricigo/DRAFT5 Após viver começo de ano apático, DETONA viu em zevy solução caseira para seus problemas | Foto: Lucas Spricigo/DRAFT5


A estreia pela equipe principal da DETONA teve saldo positivo para o prodígio, àquela altura com seus 19 anos recém-completos. Em um disputado Redragon Challenge, zevy não se intimidou perante as gigantes do continente, sendo crucial para a chegada dos pitbulls à fase de playoffs, onde emplacou seus sonoros 1.29 de rating 2.0 após os embates contra W7M, Isurus e Sharks.

AMADURECIMENTO


Quando questionado sobre suas atuações nos níveis mais baixos do cenário nacional, zevy é sincero: "Durante esses times acho que não amadureci tanto", admite. "Creio que o maior diferencial nessa amadurecimento foi na própria DETONA principal", confere. "A diferença foi principalmente os times que a gente enfrenta."

"Jogar contra os times tier 1 é bem mais legal do que os do tier 2 para baixo", confia. E essa transição de níveis zevy tirou de letra. É claro, a derrota na seletiva para a ESL Pro League S12 perante a algoz Isurus não foi o melhor dos resultados que se sucederam, bem como o fato da equipe ter ficado de fora da quinta edição da Gamers Club Masters após derrotas para Asterius e Cream, times que no papel eram inferiores.


No entanto, tudo na vida certamente ocorre por algum motivo. As derrotas contribuíram para a evolução, individual e coletiva de zevy e companhia. A terceira temporada do CLUTCH, elite do CS:GO sul-americano chegaria junto com o mês de agosto, e por lá, o brasileiro impressionaria novamente pela regularidade.

Foram 20 mapas disputados e um rating 2.0 de 1.05 que auxiliou a composição capitaneada por nak a chegar à uma improvável terceira colocação naquele que seria o penúltimo compromisso dos pitbulls na atípica temporada disputada online.

"Foi a melhor coisa que me aconteceu no Counter-Strike coletivamente desde que comecei a focar no competitivo no final de 2019, estávamos bem confiantes, mandando bem nos treinos, e sabíamos que chegaríamos longe", destaca zevy sobre sua brilhante temporada junto dos pitbulls.


Com o fim da principal Liga da temporada e o interesse de times de alto calibre nos principais nomes da DETONA, as saídas de Lucas "Lucaozy" Neves para a Sharks e a de Vinicius "v$m" Moreira para o MIBR tornaram-se inevitáveis.

Perante a dificuldade imposta pelas duas perdas em seu elenco, os pitbulls novamente trouxeram dois jovens para comporem sua formação na disputa do campeonato de maior prestígio do cenário nacional: a Gamers Club Masters VI, disputada no início da segunda quinzena de dezembro.

Lucas ''nqz'' Soares, ex-Galo e Kaue ''kauez'' Kaschuk, outra cria da base da organização, foram as apostas mais do que certeiras da DETONA. Com vitórias sobre SWS e Bravos, a composição capitaneada pelo veterano nak procederia aos playoffs. De azarões, os pitbulls passaram a campeões do Major brasileiro após derrubarem Havan Liberty, nas semis, e 9z, na grande final, com direito a show de zevy no terceiro e decisivo mapa contra os argentinos.


Enaltecendo o trabalho do treinador Henrique "rikz" Waku, zevy ressalta a resiliência da equipe perante os diversos percalços do ano: "Foi um ano difícil com muitas mudanças na line, mas acredito que devido ao rikz tudo ficou mais fácil e no final conquistamos o maior campeonato do ano. Foi surreal", destaca. "Meu ano individual foi razoável e penso que consigo mostrar muito mais", analisa.

Esbanjando confiança, zevy se coloca "entre o top 15 e top 10". Fica para 2021. E por falar neste novo ano que se inicia, o AWPer enxerga muito potencial em kauez, com quem disputou a Gamers Club Masters VI: "Com certeza vai surpreender", indica. No entanto, em relação a 2020, sem espaço para grandes novidades: "Quem estiver no top 20 com certeza mostrou trabalho duro e não será uma surpresa", crê zevy.

O 20º MELHOR NO BRASIL EM 2020


Sendo um AWPer de grandíssimo impacto, zevy ostentou números notáveis mesmo fazendo uma transição repentina de ligas inferiores para a elite do CS:GO sul-americano. Teve o 18º maior rating 2.0 entre os listados, com 1.10 neste quesito. Seu ADR foi o 19º maior: 73.6. O KDR de 1.15 foi o 11º maior da lista, sendo sua estatística mais notável.

Os números do ano de ascensão de zevy | Foto: Arte/DRAFT5


Já seu KAST, um dos principais quesitos, foi de 69.1%, o 20º da lista, fazendo jus à sua posição no ranking. Na taxa de impacto, fez o que se espera de um AWPer: 1.13 e 13ª colocação no quesito. Seus números, por sinal, atingiram o ápice no campeonato que teve o gosto mais especial na temporada:

"Com toda certeza a Gamers Club Masters VI que a gente foi campeão, nunca pensei que ganharia esse título tão rápido, visto que comecei a focar no competitivo no final de 2019", analisa o pitbull, que foi EVP do torneio com 1.15 de rating 2.0.

Antes disso, ainda pela DETONA Pound, zevy havia sido eleito EVP da Brasil Premier League S12 e da La Liga Pro Sur - Apertura, torneios de menor expressão, mas que, aliados ao Redragon Challenge e ao Major brasileiro lhe conferiram 20,2 D5 Points, e claro, um lugar entre os melhores do Brasil em 2020.

Os destaques de zevy em 2020 | Foto: Arte/DRAFT5


Apesar das conquistas individuais, os pesos em relação aos outros listados acabou não deixando com que o jogador conseguisse uma melhor posição. Além disso os praticamente 6 meses de zevy no time de base da organização, no qual disputou torneios menores, não trouxeram números grandes o bastante para que a diferença de mais de 5 pontos em relação ao 19º fossem tirados.

Em um ano de muitas dificuldades, zevy tirou todas de letra, protagonizando um ano memorável que lhe coloca entre os melhores da América do Sul e lhe torna um nome a ser observado de perto nos próximos meses.
Continua depois do anúncio