DRAFT5

zmb comenta ajustes na Alma: "Vai demorar um pouco para pegar esse costume e vivência do CLUTCH, mas vamos chegar lá"

Capitão da Alma acredita na evolução rápida de seu time

zmb comenta ajustes na Alma: "Vai demorar um pouco para pegar esse costume e vivência do CLUTCH, mas vamos chegar lá"Foto por: Rafael Veiga/DRAFT5
Debutantes na maior liga de CS:GO do Brasil, a Alma Gaming enfrentou a argentina Isurus em sua rodada de abertura do CLUTCH. O time subiu para a divisão de elite após boa temporada no circuito Dell, que culminou na classificação por meio da relegation. A equipe não conseguiu a vitória contra os "tiburones", mas fez jogo duro no primeiro mapa. O jogo terminou 2 a 0 para a Isurus, 16 a 12 na Overpass e 16 a 5 na Train.

Com um time montado no final de 2019, o capitão Leonardo "zmb" Toledo ainda faz ajustes na equipe. "Durante o relegation nós estávamos meio que numa "lua de mel" do time, onde tudo estava dando certo, com as coisas encaixando naturalmente. Só que durante os treinos começaram a surgir os primeiros problemas, com os jogadores ficando na duvida do que deveria ser feito. É a primeira vez que tenho uma questão desse tipo, vamos ter que corrigir algo que estava dando certo no passado e passou a dar errado agora. Vamos sentar e treinar para encontrar o mesmo estilo de jogo que a gente estava tendo", disse.

A equipe conta com o jogador mais jovem da competição, Lucas "nqz" Soares, de apenas 15 anos. O jogador foi o mais decisivo na Overpass, com rating de 1.36. "Ele vai mostrar um nível de jogo muito alto. Nós temos no time estilos de jogo diferente para cada mapa, então na Overpass, por exemplo, ele vai se dar muito bem de TR. Em outros mapas ele vai fazer outras funções e talvez se sacrificar um pouco mais pela equipe. Então dependendo do mapa ele vai amassar, só precisamos moldar um pouco mais o psicológico e o preparo, mas com certeza ele vem muito forte com a gente nessa temporada", cravou.

A Alma começou bem a partida contra a Isurus, chegando a abrir 7 a 3 no primeiro mapa. "Na Overpass nós sabíamos que eles iriam fazer muitas estouradas B, e preparamos bem contra isso. Só que alguns erros durante os rounds acabaram custando nossa vantagem na primeira metade. Também sinto que a gente não estava tão preparado para fazer execuções de TR na A, ainda estamos treinando essas entradas", revelou.

Já na Train os estreantes não conseguiram "clicar" e foram dominados desde o início. "A gente tinha as táticas na cabeça, mas acabamos não conseguindo executar elas da maneira que treinamos. Você precisa ter sincronia nas jogadas, então enquanto estão rolando smokes de um lado do mapa, do outro os jogadores tem que se movimentar, e isso não estava acontecendo", pontuou.

Mesmo com um time pouco experiente, a Alma conseguiu fazer um bom primeiro mapa. A última lan da equipe havia sido durante a Samsung Odyssey Challenge, torneio em que jogaram contra a Engole o Xoro durante a Game XP de 2019. O time ainda contava com Mathes "Dropzera" Santos e Vitor "koé" Pires, quando sofreu a derrota na ocasião.

"O psicológico do time foi melhor do que eu esperava. Nós não tivemos medo de jogar, e isso é muito importante. Vai demorar um pouco para pegar esse costume e vivência do CLUTCH, mas vamos chegar lá. Principalmente porque mantemos uma mentalidade de campeonato em treino, ou seja, vamos crescer muito nos treinos e não ser dependentes só dos campeonatos", disse.

Tratado como atípica a atitude da equipe no segundo mapa, o capitão sabe o que precisa fazer. A promessa é de melhora, mas zmb também se mostra preocupado com o curto tempo para melhorar na liga. "Talvez um pouco de nervosismo, ou por ter perdido o primeiro mapa, mas nós vamos treinar para ajeitar isso. O campeonato é curto, nós sabemos que CS demora um pouco para encaixar, mas não temos muito tempo", finalizou.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Saiba Mais Sobre

Notícias Relacionadas