Histórias de Major – PGL Major Stockholm 2021: O rei ganha sua coroa

Com uma campanha histórica, NAVI deu fim à incessante busca pelo troféu e coroou s1mple

por Lucas Benvegnú / 15 de Mar de 2024 - 17:14 / Capa: Arte/DRAFT5/HLTV.org

Após uma longa espera que ultrapassou os dois anos, o PGL Major Stockholm 2021 devolveu ao Counter-Strike: Global Offensive o glamour que uma tortuosa era online havia tomado.

Foi em solo sueco que a história foi escrita, com a Natus Vincere colocando fim à incessante busca pelo troféu mais cobiçado da modalidade e coroando Oleksandr "s1mple" Kostyliev como um dos melhores jogadores de todos os tempos.

Continua depois do anúncio

O PRELÚDIO

O PGL Major Stockholm 2021 marcou o retorno do público aos grandes campeonatos presenciais, embora este só tenha se feito presente a partir da Etapa dos Campeões, sediada Avicii Arena frente à cerca de 15 mil testemunhas.

A Avicii Arena durante o embate entrre Heroic e Virtus.pro, válido pelas quartas de final | Foto: Reprodução/Twitter/DignitasA Avicii Arena durante o embate entrre Heroic e Virtus.pro, válido pelas quartas de final | Foto: Reprodução/Twitter/Dignitas

As duas primeiras fases, no entanto, foram realizadas no Quality Hotel™ Globe. Este, por sinal, foi o primeiro Major a ser realizado em solo sueco desde a DreamHack Winter 2014, disputada sete anos antes.

AS PARTICIPANTES

Tendo suas vinte e quatro equipes definidas por meio de um novo sistema - o dos torneios válidos pelo Regional Major Ranking - o Major de Estocolmo contou com a premiação recorde de $2 milhões.

Curiosamente, este permanece sendo o Major com maior número de representantes brasileiros: ao todo, foram 21 atletas carregando o estandarte verde e amarelo por lá. Além dos elencos de FURIA, GODSENT, paiN e Sharks, Gabriel "FalleN" Toledo foi à luta sob o banner da Team Liquid.

Veja a lista completa de participantes do torneio:

Etapa das Lendas:

Natus Vincere
Liquid
G2
Vitality

Gambit
FURIA
Evil Geniuses
Ninjas in Pyjamas

Etapa das Desafiantes:

Entropiq
Spirit
Astralis
Heroic
MOUZ
paiN
FaZe Clan
TYLOO

Renegades
Sharks
BIG
GODSENT
Virtus.pro
Copenhagen Flames
Movistar Riders
ENCE

O favoritismo inquestionavelmente sempre esteve ao lado da Natus Vincere ante ao Major de Estocolmo. As principais candidatas a pararem-na eram Vitality e Ninjas in Pyjamas, visto que a G2 aterrissava em solo sueco após uma campanha desastrosa na ESL Pro League S14.

Embora ainda sofresse com as críticas acerca do contraste entre suas performances online vs. na LAN, a Gambit também parecia ter o que era necessário para frear s1mple e seus companheiros. Algo semelhante recaía sobre os ombros da Heroic.

Natus Vincere já chegou ao Major de Estocolmo como time a ser batido | Foto: Stephanie Lieske/ESLNatus Vincere já chegou ao Major de Estocolmo como time a ser batido | Foto: Stephanie Lieske/ESL

Com a outrora hegemônica Astralis se despedaçando pouco a pouco, a FaZe Clan sendo incostante e a Virtus.pro fazendo mudanças em seu plantel dias antes da disputa, as surpresas não pareciam ter espaço na Suécia.

Dentre as representantes brasileiras, a FURIA era a principal das esperanças, com FalleN correndo por fora junto de sua Team Liquid. GODSENT, paiN e Sharks chegavam então com a missão de surpreenderem suas rivais.

A PRIMEIRA FASE

Sem maiores surpresas - com exceção de uma ascendente Copenhagen Flames - a primeira fase confirmou o favoritismo de diversas equipes, tais como FaZe Clan, Heroic, Astralis, Virtus.pro e ENCE.

Finn "karrigan" Andersen, aliás, parecia tirar leite de pedra para capitanear aquele esquadrão europeu rumo ao intocável saldo de 3V-0D. Alegria de uns, tristeza de outros, as principais decepções vestiam verde e amarelo.

Brasil viu 15 de seus 21 representantes ficando pelo caminho ainda na primeira fase | Foto: Divulgação/PGLBrasil viu 15 de seus 21 representantes ficando pelo caminho ainda na primeira fase | Foto: Divulgação/PGL

GODSENT e Sharks, por exemplo, sequer tiveram tempo de mostrar algo a mais, caindo por terra sem triunfos. A paiN até ganhou sobrevida ao vencer os tubarões, mas logo teve seu sonho arrasado por Lukas "gla1ve" Rossander e companhia.

Apesar de seus incansáveis esforços, a Movistar Riders sucumbiu à Heroic no quinto e decisivo confronto, ao mesmo tempo em que BIG e Spirit provaram ser algumas das grandes decepções de toda a etapa inaugural.

A SEGUNDA FASE

Sem maiores ressalvas, a Natus Vincere confirmou seu favoritismo e avançou sem um arranhão sequer aos playoffs. Quem também passou com saldo perfeito foi a G2, que cresceu no momento certo e embalou rumo à fase decisiva.

Heroic, Gambit e FURIA não demoraram a carimbar seus respectivos passaportes à Avicii Arena, enquanto Virtus.pro, Ninjas in Pyjamas e Vitality precisaram suar para garantirem tal feito com 3V-2D. Os suecos, aliás, resolveram tudo após três prorrogações no mapa decisivo diante da Copenhagen Flames.

Já os franceses, outrora postulantes ao título, começaram sua campanha com duas derrotas e precisram vencer três MD3s em sequência para se manterem vivos na disputa. O problema, no entanto, seria a adversária nas quartas: a gigante NAVI.

OS PLAYOFFS

Já frente ao ensandecido público sueco, não houve marrgem para surpresas. Embora Dan "apEX" Madesclaire e suas tropas tenham resistido bravamente, a Natus Vincere sacramentou sua vaga nas semifinais junto da Gambit, que venceu a FURIA com autoridade.

Do outro lado do chaveamento, Heroic e Virtus.pro fizeram um dos melhores jogos da competição, com Casper "cadiaN" Møller e seus companheiros saindo por cima, ao mesmo tempo em que a G2 superou uma decepcionante Ninjas in Pyjamas.

Nas semifinais, a Natus Vincere simplesmente atropelou a Gambit e alcançou a tão sonhada decisão, enquanto a G2 precisou de três sofridos mapas para passar por cima da Heroic e se juntar a s1mple e companhia na decisão.

NAVI tornou-se o primeiro time a vencer um Major sem perder um único mapa | Foto: Stephanie Lindgren/PGLNAVI tornou-se o primeiro time a vencer um Major sem perder um único mapa | Foto: Stephanie Lindgren/PGL

Uma primeira metade de 8 a 7 do lado CT da Ancient foi mais do que o suficiente para que a NAVI largasse em vantagem com tranquilos 16 a 11 no marcador, com as coisas então se resumindo à Nuke, principal mapa dos russos.

Por lá, deu a lógica. Embora a G2 tenha chegado antes ao map point com o 15 a 10 no placar, a icônica falha de Nikola "NiKo" Kovač pelo bombsite A simbolizou bem o choque dos samurais, que não conseguiram frear a remontada rival e viram a Natus Vincere ascender ao lugar mais alto do pódio por 22 a 19.

Oleksandr "s1mple" Kostyliev
Denis "electroNic" Sharipov
Kirill "Boombl4" Mikhailov
Valerii "b1t" Vakhovskyi
Ilya "Perfecto" Zalutskiy

Andrii "B1ad3" Horodensky (Coach)

Saiba Mais Sobre