DRAFT5

Há quatro anos, Gambit derrotava Immortals na final do PGL Major Kraków 2017

Neste mesmo 23 de julho, mas em 2017, cazaques colocavam fim ao conto de fadas vivido por steel e cia

por Lucas Benvegnú / 23 de jul de 2021 - 14:15 / Capa: HLTV.org

Lá se vão quatro anos de um dos melhores momentos vividos pelo Counter-Strike brasileiro. Em tempos onde a SK Gaming de Gabriel "FalleN" Toledo dominava o cenário mundial do FPS, a Immortals parecia ser apenas a irmã caçula de sua gigante rival.

Foi neste mesmo 23 de julho, mas lá em 2017, que tudo mudou. Chegando ao PGL Major Kraków 2017 como grande favorita após o título da ESL One Cologne 2017, a SK não correspondeu as expectativas, caindo precocemente na competição após derrota para a Astralis do inspirado Nicolai "device" Reedtz ainda nas quartas de final.

Em tempos onde a torcida nada tinha a ver com a camiseta, mas sim com a bandeira carregada por cada atleta, restou aos fãs alentar a Immortals, única remanescente brasileira na competição de $1 milhão. A equipe capitaneada por Lucas "steelega" Lopes fez uma fase de grupos boa, apesar do saldo de 3V-2D.

A icônica Immortals vice-campeã de Major antes das quartas contra a BIG | Foto: Divulgação/ImmortalsA icônica Immortals vice-campeã de Major antes das quartas contra a BIG | Foto: Divulgação/Immortals

Perdendo apenas para as gigantes Astralis e SK Gaming, claras postulantes ao título, a formação que contava também com os irmãos Lucas "LUCAS1" Teles e Henrique "HEN1" Teles bateu três esquadrões CIS para carimbar a vaga nos playoffs de seu primeiro Major: Vega Squadron, Natus Vincere e FlipSid3 Tactics.

Após derrotar a BIG em um dos mais memoráveis embates para o CS:GO brasileiro, a line-up treinada por Rafael "zakk" Fernandes desbancou a anfitriã Virtus.pro na semifinal, postando-se à frente da outra zebra da competição, a Gambit, na finalíssima. Danylo "Zeus" Teslenko e suas tropas, por sua vez, haviam superado fnatic e Astralis em dois acirrados embates.

A grande final começou bem para o esquadrão brasileiro, que embalado por performances irretocáveis de HEN1 e Ricardo "Boltz" Prass, emplacou sonoros 16 a 4 na Cobblestone, primeiro mapa do embate. Se existe algum torcedor brasileiro que não se iludiu àquela altura, que este dê um passo à frente.

O dia em que o Major escapou por entre os dedos de kNg e cia. | Foto: HLTV.orgO dia em que o Major escapou por entre os dedos de kNg e cia. | Foto: HLTV.org
Continua depois do anúncio

A Train, no entanto, não teve o mesmo desfecho. A Gambit foi bem do lado terrorista e não teve grandes complicações para sacramentar tranquilos 16 a 11 no placar, igualando a série e levando a decisão para a sempre acirrada Inferno.

Por lá, os brasileiros não tiveram vida fácil. Sem conseguir encaixar um bom lado TR, a Immortals foi dominada de ponta à ponta na primeira metade. Quando o placar marcava 9 a 1 para os cazaques, steelega e seus companheiros conseguiram um respiro aliviado pelo bombsite A, mas Mikhail "Dosia" Stolyarov marcaria seu nome na história do jogo com uma jogada de gênio.

Os lados se inverteram e a Immortals bem que tentou voltar para o jogo. Quatro pontos em sequência pareciam ser o catalisador para uma improvável reação. Entretanto, quis o destino que Abay "Hobbit" Khassenov aprontasse para cima da equipe brasileira. Com margem para erro, ficou fácil para a Gambit, que logo asseguraria o 16 a 10 para erguer o troféu de Major em solo polonês.

No fim das contas, aquela final de Major parecia amaldiçoada. Menos de três semanas após o título, a Gambit perdeu Zeus para a Natus Vincere e nunca mais foi a mesma, tendo que se remontar até os dias de hoje. E a Immortals? Daquele elenco, ficaram apenas as lembranças. Poucos meses depois da final, tudo caiu por terra em meio às polêmicas protagonizadas por parte da escalação brasileira.