"É preocupante ver o silêncio da ESIC", diz STYKO sobre casos não solucionados do "bug do coach"

Mais recente caso que passou em branco foi protagonizado pelo ex-Cloud9 valens

por Lucas Benvegnú / 22 de Mar de 2022 - 18:00 / Capa: João Ferreira/DreamHack

Um dos principais escândalos que se sucederam no cenário de CS:GO certamente foi o infame "bug do coach", o qual resultou em 37 treinadores banidos - dentre eles, diversos brasileiros - ainda em setembro de 2020. Uma segunda leva de punições deveria ser apresentada pela ESIC pouco tempo depois.

Deveria. A Comissão, contudo, nunca mais tocou no delicado assunto, embora muitos não esqueçam de tal tópico, caso de Martin "STYKO" Styk, que hoje defende a Apeks e compõe o estafe da CSPPA - Associação de Jogadores Profissionais de Counter-Strike.

Em recente entrevista ao polêmico jornalista britânico Richard Lewis, o eslovaco, que acumula em seu currículo passagens por MOUZ, Cloud9 e GODSENT, falou sobre a recente descoberta de que Soham "valens" Chowdhury, ex-treinador da Cloud9, teria abusado do bug.

"O que me incomoda é que o valens foi banido pelo uso do bug do coach, algo que descobri em fevereiro. Desde então, tenho tentado falar com a ESIC para entender o que vai se passando", contou. A revelação do suposto abuso por parte do norte-americano, aliás, foi feita pelo portal Dexerto.com.

"Esse escândalo aconteceu há dois anos. Por que o valens nunca foi investigado? Se queremos encontrar alguém fazendo algo errado, precisamos olhar para os melhores. Se o valens passou por baixo do radar, quem mais passou? É preocupante ver o silêncio da ESIC"

Em determinado momento da conversa, Richard Lewis disparou: "Eu não deveria dizer isso, mas existe uma lista (de treinadores que abusaram do bug) com 27 nomes nela", sugeriu o jornalista britânico. STYKO, na sequência, manifestou sua preocupação com a impunidade desses coaches:

Continua depois do anúncio

"Quais são as chances de treinadores de alguns dos melhores times do mundo que ainda estão trabalhando terem usado o bug?", questionou o atleta de 26 anos.

STYKO ainda revelou que o Acordo do Louvre, documento que sacramentou a parceria de diversos clubes com a ESL, não permite que profissionais banidos em tal escândalo integrem o quadro de funcionários dessas organizações.

Entretanto, valens, que chegou a trabalhar com STYKO durante seus tempos de Cloud9, permanece integrando a comissão técnica da Evil Geniuses, embora tenha negado todas as acusações envolvendo o escândalo.